Evangelho do dia:Naquele tempo, houve um casamento em Caná da Galileia. A mãe de Jesus estava presente. Também Jesus e seus discípulos tinham sido convidados para o casamento (Jo 2, 1-2).

quarta-feira, 24 de junho de 2015

RITUAL DA MISSA

9. REUNIDOS EM NOME DA TRINDADE 
  "Executando o canto de entrada, o sacerdote, de pé junto à cadeira, com toda a assembleia faz o sinal da cruz" (IGMR 50), dizendo: em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. A assembleia dá se consentimento com o amém. 
  Observemos que, na liturgia, tudo começa com o sinal da cruz, pelo qual a comunidade dos batizados proclama a sua fé: Deus é Pai, Filho e Espírito Santo. Ao Pai eleva-se a ação de graças por meio do Filho na comunhão do Espírito Santo. O sinal da cruz nos põe em sintonia com a fonte da liturgia. A Trindade santa é a fonte e o fim da ação litúrgica. A assembleia deposita sua vida e missão no coração da Trindade.
  O sinal da cruz que dá início à celebração da eucaristia é o mesmo realizado no batismo: "Eu te batizo, em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo". O gesto do sinal da cruz revela a identidade da assembleia: reunião daqueles que foram assinalados no dia do batismo (Nosso sinal é a cruz de Cristo. Por isso vamos marcar esta/s..."). Reunimo-nos para celebrar a missa porque somos um povo de batizados, pertencemos ao povo dos seguidores de Jesus Cristo, que do alto da cruz, de braços abertos, traçou entre o céu e a terra o sinal permanente da nova aliança. Assinalados pela cruz, formamos o povo sacerdotal que se congrega para viver a fonte e o ápice da vida cristã, assumindo a sua cruz na vida cotidiana.
  O gesto do sinal da cruz evidencia que nossa vida e missão, convergindo para a eucaristia, se renovam e se revigoram no dinamismo do mistério pascal e comunhão trinitária. Fortalecidas, a vida e a missão retomam o caminho cotidiano, com suas cruzes e suas ressurreições, para que a vida toda se converta num caminho pascal.
  É importante que o sinal da cruz, recitado ou cantado, seja realizado de forma solene, de maneira ampla. Não de forma apressada ou superficial. Deve ficar evidente que ele envolve todo o nosso corpo, imprime forma cristã a toda a pessoa. Cruz que marca os nossos pensamentos e sentimentos e todo o nosso agir.
    Frei Faustino Paludo
Assessor da liturgia da CNBB