Num sábado, Jesus estava passando pelas plantações de trigo, e os discípulos arrancavam as espigas, debulhavam e comiam. Alguns fariseus disseram: “Por que fazeis o que não é permitido em dia de sábado?” (Lc 6,1-2).

sábado, 19 de julho de 2014

EVANGELIZAÇÃO E COMUNICAÇÃO

4. OS INSTRUMENTOS DE COMUNICAÇÃO
   O decreto Inter Mirifica do Concílio Vaticano II, sobre os meios de comunicação social, reconheceu que entre as maravilhosas invenções da técnica estão aquelas que abriram novos caminhos para a comunicação (IM 1). Trata-se de uma atitude positiva dos padres conciliares perante os meios técnicos de comunicação que transformaram o mundo numa "aldeia global".
   Com o Inter Mirifica, a Igreja passou a assumir mais destemidamente os meios de comunicação social no serviço da evangelização. Isto não significa que antes do concílio não houvera pessoas que, interpretando os sinais do tempos, tivessem assumido a comunicação como campo para o anúncio do evangelho.
   É o caso do bem-aventurado Tiago Alberione, fundador dos Paulinos e da Família Paulina. Nos inícios da década de 1950, escrevia: "Quando os meios do progresso humano são utilizados para a evangelização, eles recebem uma consagração, são elevados à dignidade máxima. A sala de redação, as dependências da parte técnica, as livrarias, tornam-se igreja e púlpito".
   A partir do concílio, o Magistério da Igreja passou a fazer inúmeros pronunciamentos, reconhecendo que esses meios - imprensa, rádio, televisão e, hoje, a internet -, quando postos a serviço do evangelho, são suscetíveis de ampliar, quase até o infinito, o campo para ser ouvida e conhecida a palavra de Deus.
   O papa Paulo VI chegou a afirmar que "a Igreja viria sentir-se culpável diante do seu Senhor se não lançasse mão destes meios potentes que a inteligência humana torna cada dia mais aperfeiçoados" (EN 45). É servindo-se deles que ela "apregoa sobre os telhados" a mensagem de que é depositária. Graças a eles, consegue anunciar o evangelho às pessoas, especialmente às mais distantes.
        Padre Valdir José de Castro, ssp